sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Pitanga | Coluna Marina Pedrosa

Uma mulher.

Uma nova percepção. Deliciosamente inteira e entregue a si mesma, como se pela primeira vez realmente se olhasse.

Sente suas curvas, doces curvas iluminadas e captadas num delicado momento de arte e ousadia.

Posado corpo que se entrega à câmera com simplicidade. Para que capte o movimento de sua alma, de seu mais íntimo desejo de libertação.

Sua sensualidade naturalmente se aflora, pois é.

É mulher em essência, é mulher que sente... sente e
sorri. 
Sorri, pois seus estímulos são seus próprios desejos, suas fantasias e seu perfume. 
Onde está a sensualidade da mulher senão em seu próprio ventre? Em suas histórias inventadas, suas fantasias, no sangue em suas veias?

Em pose para a câmera, expondo seu corpo em retratos de intimidade, ela não usa máscaras. Não representa um personagem fictício.

Neste momento em que brinda à alma feminina, sente-se viva e real.

É viva. 

Uma viva mulher. 

Com alma e sonhos. 

Marina Pedrosa


2 comentários:

  1. Simplesmente MARAVILHOSO, a última foto até levantou o falecido, lindas todas as fotos, legal a idéia. bjs Leo

    ResponderExcluir
  2. Ah! Essas mulheres que me fazem amar.

    "Eu quero
    Ser exorcizado
    Pela água benta
    Desse olhar infindo
    Que bom
    É ser fotografado
    Mas pelas retinas
    Desses olhos lindos"

    ResponderExcluir